Mãos

hands

Crônica publicada no jornal Zero Hora em 04/08/2016.

Este é o ano da divisão. O mundo está dividido. O país está dividido. Chovem refugiados de países em conflito como a Síria nas fronteiras da Europa — e eles são mesmo chuva, porque caem sem perspectivas em solos estranhos. Parte da Europa os recebe de braços abertos, mas parte teme a disputa de empregos ou a eventual entrada de terroristas.

Assistimos também, como se estivéssemos no teatro ou no circo, às eleições americanas, em que sobram elementos pitorescos. Um candidato a defender muros cada vez mais altos, uma candidata com e-mails a esconder. Enfim, os vexames políticos de sempre a dividir a opinião pública em lados opostos, ignorando as complexidades da política.

No Brasil, também estamos divididos: os que são contra e a favor da Olimpíada; os “Fora, Dilma” e os “Fora, Temer”. Os “Fora, Todos”. Quaisquer deslizes de um lado ou de outro provocam avalanches de ódio nas ruas e nas redes.

Imagino que todos almejem o mesmo: escola para os filhos, hospitais sem fila, cultura acessível e a possibilidade de saírem de casa sem medo da violência. Os governantes não têm sido bons em cumprir suas promessas, sejam quais forem suas ideologias; e a união de todos para exigirem seus direitos é um caminho que parece óbvio, mas nem tanto no atual panorama, que privilegia o ataque.

Minha filha tem dois anos e exprime a vontade do livre pensar e agir constantemente. Não quer ajuda para ensaboar os cabelos, nem para subir as escadas. Exige respeito quando tentamos fazer algo por ela. Nunca imaginei que uma criança tivesse posições tão fortes a respeito de sua vida. Entretanto, ela também sabe de algo importante e esquecido no nosso dia a dia de segregações: quando está escuro, é preciso estarmos juntos.

Todas as noites, antes de dormir, já de posse de seu bico, ela admite que a coloquemos no berço. Quando desligamos a luz, ela nos pede a mão, e assim nos aperta com toda a força que seus dedos pequeninos conseguem produzir.

É assim que eu vejo o mundo que está lá fora hoje: escuro como o quarto da Cecília quando a noite chega. Mas parece que ninguém quer estender as mãos.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s